BEMCOMUM.net Economia para o Bem Comum

Inovação Social e Política

13 anos de Plataforma BEMCOMUM.net! Fale connosco: admin(at)bemcomum.net

Artigo em destaque

Dar o exemplo: "Não tenhamos ilusões, os próximos anos e décadas vão ser difíceis! Fácil é ser radical ambiental ou cúmplice das componentes destrutivas do sistema, díficil é fazer uma Transição que inclua a todos!"

Economia de Transição

Somos uma Rede Social, com mais de 6.000 membros.

Misturamos essencialmente conceitos de Empreendedorismo Social com Modelos e Projetos de Desenvolvimento Sustentável (Permacultura, Transição, ECGBCSD, B Corp) desde janeiro de 2009, porque como diz Peter Druker, a melhor forma de prever o futuro, é criá-lo!

FALSOS (Terrenos de cultivo e casa para habitação gratuitos sem candidatos)

ESTA ERA A NOTÍCIA:

O proprietário de uma quinta em Oliveira de Frades cede gratuitamente uma casa para habitação e os terrenos para cultivar e criar animais, mas não encontra quem queira aceitar a oferta. A propriedade fica a poucos minutos de Oliveira de Frades, Vouzela e da autoestrada A 25, permitindo chegar a Aveiro e a Viseu em meia hora e tem boas condições para cultivo, com duas nascentes de água e equipamento para criar animais.

A quinta de Artur Martins tem todas as condições para quem estiver interessado em trabalhar e um local de habitação completamente gratuito, "mas nem assim aparecem candidatos ao lugar", lamenta o proprietário.

Há cerca de um mês, depois de os anteriores caseiros terem deixado a quinta, por ter surgido a oportunidade de emigrarem para Angola, Artur Martins colocou uns avisos na aldeia - Prova, Oliveira de Frades -, "mas quem surgiu só queria a casa, na maior parte", e quanto aos terrenos, "ninguém ou quase ninguém". 

Assim, colocou um anúncio no jornal de Vouzela, mas o resultado foi o mesmo: candidatos para ocupar a casa, sim, mas não para as terras. 

"Não deixa de ser estranho que, numa altura em que o país atravessa uma crise, com desemprego acentuado, e com tantos apelos ao regresso às terras, não consiga encontrar um casal, numa região onde as pessoas estão habituadas a trabalhar as terras, que aceite esta possibilidade", disse, desapontado, Artur Martins à agência Lusa. 

Quem aceitar este "desafio" terá a garantia, explicou Artur Martins, de celebrar um "acordo de comodato" que permite garantias legais de ocupação por períodos de um ano com renovação automática "desde que seja cumprido o estipulado".

O proprietário está a fazer uma remodelação completa da casa depois de ser ocupada durante 25 anos pelos anteriores caseiros.

"Não é exigido sequer que cultive as terras ou crie animais. Exige-se apenas que as terras sejam mantidas limpas e, no caso da vinha, como é normal, a produção seja dividida em partes iguais", adiantou. 

Mas Artur Martins admite ainda que "existe uma condição a ser conversada exclusivamente com os candidatos", que não implica trabalho e diz respeito à sua presença em função de uma casa que o proprietário tem nas imediações da propriedade.

"Na verdade, pretendo apenas que as pessoas tenham gosto por isto, porque sendo uma quinta pequena, com cerca de um hectare, tem condições para ser rentável e gerar dividendos interessantes dos quais nada pretendo", assinalou.

A propriedade possui ainda um lagar de vinho que pode ser entregue para exploração dos novos ocupantes da quinta.

Ver mais em:

RTP.noticias

Uma das considerações a ter ao ler esta noticia foi levantada por André Pereira que disse:

" ...salvaguarda dos direitos de quem explora o terreno cedido e das condições a que ficará sujeito: não será um modelo semelhante ao de um neo-feudalismo e um retorno à condição de servidão?"

Na sequência de algum interesse sobre esta notícia e consideração Fernando Gama contactou este senhor Martins, ficou a perceber e concluio que afinal o que este senhor queria era um SERVO!!!! ATENÇÃO!!!

ALERTA PARA TODOS!!!

Obrigada a todos que colaboraram para descodificar este misterioso terreno e casa gratuitos!!!

Exibições: 650

Tags: mudar, quinta, terreno

Comentar

Você precisa ser um membro de BEMCOMUM.net Economia para o Bem Comum para adicionar comentários!

Entrar em BEMCOMUM.net Economia para o Bem Comum

Comentário de André Ribeiro Pereira em 9 fevereiro 2012 às 6:29

É de facto importante a divulgação de projectos, mas também a denúncia de situações menos claras, dignas e éticas. Importa talvez pensar em haver um livro branco para estes contratos de exploração.

A Transição deve ser produtiva, mas ACIMA DE TUDO ÉTICA 

Cumprimentos a todos

Comentário de Vera Filipa Ripley em 9 fevereiro 2012 às 3:27

Olá Fernando, muito obrigada pela partilha importante de informação!!! Vou rectificar o post com base no seu comentário! 

obrigada

Comentário de Fernando Gama em 9 fevereiro 2012 às 2:47

Olá Vera. Gosto de todos os seus Posts e sigo-os com toda a atenção.

Em relação ao sr Martins que tem um terreno e uma casa gratuitos, informo-a que falei com o dito Sr e é tudo falso,  o sujeito procura é um servo da gleba... incrível como Portugal sendo um País tão pequeno tenha tantos "chicos espertos". É incrível.... Cumprimentos : Fernando Gama

Comentário de Fernando Gama em 1 fevereiro 2012 às 1:35

Olá amigos

E os contactos? como contactar este sr?

Cumprimentos

Fernando Gama

Comentário de Carla Cunha em 27 janeiro 2012 às 8:18

brutal

Comentário de André Ribeiro Pereira em 27 janeiro 2012 às 6:50

Neste momento e até ao Verão, ainda estou a terminar um contrato de trabalho, tirar a carta, etc. Depois gostaria de fazer workshops, voluntariado e juntar-me a uns amigos que estão na zona de Gois. Só estarei pronto a desenvolver projectos pessoais a partir de 2013..

Quanto a telefonar, ainda cheguei a pensar nisso, mas seria dar um passo maior do que a perna.  Como não estou sozinho, não posso entrar em aventuras e compromissos..Mas pretendo manter-me atento.

Quanto a avaliar as condições, gostaria, mas não me sinto habilitado, senão como cidadão :/

Comentário de Vera Filipa Ripley em 27 janeiro 2012 às 2:31

Não conheço a quinta nem os proprietários, só vi a notícia e partilhei para quem estiver interessado em saber mais detalhes se aventurar a telefonar ir ver, saber mais... eu pessoalmente não estou interessada... 

Gosto das tuas preocupações, talvez se aparecer alguém interessado em saber mais, nós possamos ajudar na questão de avaliar as condições ;)

Estarias interessado em telefonar e saber mais?

ate jazz

 

Comentário de André Ribeiro Pereira em 27 janeiro 2012 às 1:21

Claro, também fiquei animado com a existência de mais uma opção para além da pura aquisição, uma vez que sou uma pessoa que deseja a transição e não tem 50 000 no banco.

A minha maior preocupação neste caso, e julgo que legítima, é a de salvaguarda dos direitos de quem explora o terreno cedido e das condições a que ficará sujeito: não será um modelo semelhante ao de um neo-feudalismo e um retorno à condição de servidão?.

Sabemos bem que há pessoas que se aproveitam da fragilidade alheia...

Agora importa criar massa crítica para prevenir situações desagradáveis..Conheces a quinta em questão?

Cumprimentos Transitantes

Comentário de Vera Filipa Ripley em 27 janeiro 2012 às 0:52

Olá André,

Eu li que os termos de contrato não estão explicitos públicamente porque o dono do terreno e da casa tem direito a reservar alguma privacidade em relação ao negociamento desses mesmos termos com os interessados!!! Todas as questões aqui levantadas são para tirar pessoalmente com o proprietário!! 

Agora, podemos é fazer o seguinte: Se alguem daqui estiver interessado, telefona, coloca questões pertinentes como as que aqui levantadas e depois pode sempre partilhar aqui no blog ;)

Não estou a apresentar esta notícia como um modelo de transição, publiquei esta notícia aqui apenas para partilha de informação, que pode vir a ser útil para alguém... por vezes existem pessoas interessadas em arranjar uma quintinha nesta região, mas não têm dinheiro para comprar, nem alugar... é sempre uma hipotese a ponderar, mais uma vez para quem realmente já esteja à procura de algo aqui na região...

obrigada

ate jazz

Comentário de André Ribeiro Pereira em 26 janeiro 2012 às 23:19

Não sei se leram os comentários à notícia, que me alertaram para um factor que não está explicitado no texto da notícia - os termos do contrato relativos à casa do proprietário.

 "existe uma condição a ser conversada exclusivamente com os candidatos", que não implica trabalho e diz respeito à sua presença em função de uma casa que o proprietário tem nas imediações da propriedade.

2. Qual é a fracção dedicada à vinha?

3. Ainda, resta saber que grau de autonomia poderá usufruir o ocupante, e que direitos terá logo que, e se a propriedade se tornar produtiva e rentável?

É este o modelo mais adequado para a transição?

© 2022   Criado por BEMCOMUM.net.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço