10 anos de Rede EBC! Fale connosco: +351 239100351 ou hello(at)ebc.pt Renew Europe Entrevista na TSF | Opinião | Sítio institucional Rede EBC.

Programa de Parcerias Locais

Economia de Transição

Somos uma Rede Social, com mais de 6.000 membros, focada no projeto ENERGIZAR.

Misturamos essencialmente conceitos de Empreendedorismo Social com Modelos e Projetos de Desenvolvimento Sustentável (Permacultura, Transição, EBC, BCSD, B Corp) desde janeiro de 2009 pelo gosto de pensar o futuro.

Vídeos

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Somos todos Empreendedores Sociais e Conscientes?

Vivemos desafios extraordinários. A nossa sociedade faz parte de uma aventura humana, de uma civilização, que foi capaz de construir os espelhos, com que já podemos observar, o legado que deixámos ao futuro, e que temos a oportunidade de reescrever.

E o que vemos nós? Serenamente, com ponderação, devemos reconhecer, que fomos capazes de celebrar o melhor da humanidade nas artes, ciências, engenharias, sistemas jurídicos e políticos, na riqueza e diversidade de estilos de vida, ou seja, em quase todos os domínios da acção humana.



Observando com mais atenção, verificamos que baseámos a nossa prosperidade, sobretudo numa parte do que é ser humano, a mais competiviva, agressiva, egoísta. Suportados pela energia abundante e barata, realizámos de forma muito desigual, expectativas de consumo, sem compreendermos bem, as ligações entre nós e os sistemas de que dependemos, as outras espécies, o Planeta Terra. Podemos viver de forma saudável, repensando e agindo, no quadro de uma nova economia e cultura, que os nossos filhos, nos convidam a construir, agora, como cuidadores de tudo e todos.

Precisamos de uma nova prosperidade, que inclua todas as dimensões do que é ser humano num planeta finito. Intuitivamente, sabemos que temos que nos reinventar, reinventar sistemas, novas formas de mensurar objectivos colectivos de longo prazo. O universo pede-nos coragem, idealismo, mas também muita objectividade.

Temos que sair dos limites do nosso interesse pessoal, e incluir o interesse colectivo, de humanos e não humanos, da Biosfera, fazendo-o de forma suave, alterando progresivamente comportamentos e instituições. Potenciando o melhor de nós e dos outros. Acreditando que somos muito mais, do que o actual modelo económico e social, nos tem permitido expressar. Somos cooperativos, criativos, amorosos, justos, inteligentes.

Inteligência aplicada, poderá significar criarmos uma história do futuro que inclua todos. Urbanos e rurais. Ricos e pobres. Jovens e velhos. Mulheres e homens. Liberais e conservadores. Todos podem ser importantes. Todos podem dar um contributo significativo.

Sejamos francos. Estamos em rota de colisão com a realidade. Corremos o risco de colapsar como civilização.

Escolhamos ser empreendedores sociais e conscientes. Sejamos as pessoas da economia da felicidade na simplicidade!

Exibições: 584

Tags: permacultura, permaculture, portugal, transition, transição

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede EBC para adicionar comentários!

Entrar em Rede EBC

Comentário de Carla Antónia Marques Vale em 14 janeiro 2013 às 14:19

Parabéns a todos os protagonistas desta " História ". Sem duvida que esta rede tem contribuído muito para a mudança e tenho a certeza que se trata de uma mudança para melhor !!!! Muita força para que todos juntos continuaremos a fazer algo por nós próprios... sejam Felizes !!!!!

Comentário de João Manuel Soares Travessa em 14 janeiro 2013 às 13:03

Perseverança é o importante. Mantenhamos a máxima: "grão a grão enche a galinha o papo".

Comentário de Maria Eduarda Paula Brito Pina em 13 janeiro 2013 às 18:43

Boa pergunta! Podemos ser sempre mais empreendedores e conscientes! Mas a equipa que deu inicio a esta plataforma tem um efeito contagiante sobre os demais. Falando em termos pessoais, esta rede tem-me contagiado muito e dado esperança para acreditar num mundo melhor, pelos bons exemplos que tem dado a conhecer e pela partilha dos mesmos.

Parabéns à equipa responsável pelo trabalho que tem desenvolvido até hoje e a todos os que tem divulgado as suas iniciativas através  desta rede social.

Eduarda Pina  

Comentário de Armindo Pereira de Magalhães em 29 março 2011 às 19:06

O direito à simplicidade, à diferença. o consumismo sem sentido. Mudar o paradigma do crescimento económico como a única saída desta ". Qual é o bjecto de todos nós? termos muito ou sermos felizes com pouco.

Contém comigo

Comentário de Maria Lopes em 29 março 2011 às 16:08

Mudar é preciso ! e essa mudança tem de partir da cidadania !Políticos  Egocêntricos têm de sair de cena.

Vamos divulgar a revolução Islandesa e acompanhar os seus resultados.Eu acredito na economia da felicidade na simplicidade! PermAbraços

Comentário de Ana Mafalda G. L. Reis Esteves em 29 março 2011 às 15:26
adorei o texto! é na organizaçao colectiva e na mobilizaçao dos individuos e a procura de respostas creativas que superem o já conhecido ou instituido que se descobrem possiveis caminhos la luta pela tranformaçao. decidamos como queremos viver, e como nos queremos relacionar com os outros e com o ambiente..caminhemos juntos re-creando formas de habitar o planeta e de conviver.
Comentário de Nascimento João em 29 março 2011 às 15:00
Espectáculo :) isto tá mesmo a mudar!!! O que virá a seguir???
Comentário de BEMCOMUM.net em 29 março 2011 às 13:57
João Jorge, estás a sugerir algo em concreto? :)
Comentário de João Jorge em 29 março 2011 às 13:55

Queridos amigos,

 

Notícias frescas e actuais!!

 

Se não tiverem tempo, vejam pelo menos os primeiros 12 minutos.

 

Neste vídeo podem ver como recentemente foram deitados por terra todos os pressupostos que definem a VIDA em si mesma.
Até agora a Vida era definida (limitada) dentro das leis da Física e da Química e como tal, subordinada às leis da termodinâmica. Assim como era também classificada como entrópica, o que já há muito tempo era contestado, sem surtir efeito na comunidade científica instalada.

O virologia (prémio Nobel) Montagnier, depois de publicar as suas provas, foi fortemente contestado e acabou por sair do seu país (França) para ser acolhido pela China!

Não sei se estão a perceber bem as implicações destas provas... Os manuais das escolas e universidades simplesmente deixam de servir porque estariam a induzir em grande erro os actuais estudantes, ou seja, não estariam a dizer a verdade mais actual...!

Mais ainda... desta forma, a razão pela qual se aplicam vacinas  e medicamentos simplesmente NÃO HESISTE...! Qualquer insistência por parte dos "especialistas" habituais (corpo médico) para seguirmos as suas indicações, estariam sem fundamento e tremendamente desactualizadas, o qual, verifica-se que no mínimo estariam a por em perigo a saúde sem razão.

 

O vídeo mostra como foi agora provado perante o público, que a vida transmite-se por campos electromagnéticos…!

 

A partir de agora, a Física, Química, Biologia, Medicina, etc. estão viradas do avesso e têm de ser totalmente revistas nas suas conclusões, o que me parece fabuloso…! Aliás, os estudiosos (com espírito científico) deveriam estar muito contentes por poder reescrever a História da ciência e mudarmos todas as nossas acções implicadas com estas descobertas.

 

ISTO MARCA UM PONTO NA HISTÓRIA BRUTAL…!

 

Imprimam cópias destas provas e andem com elas na mala, para poderem argumentar perante os “especialistas”. Informem-se bem e tentem compreender isto, não podemos continuar a ter o “conhecimento de nós” próprios escondido nos arquivos da ciência!

Ignorar estas provas pela parte da comunidade científica, será no mínimo falta de respeito por toda a humanidade.




http://larouchepac.com/node/17802
Comentário de João Jorge em 29 março 2011 às 13:50

Recomendo vivamente a tomada de consciência sobre este assunto.

...Especialmente para quem tem como referência apenas aquilo que aparece nos jornais e TV...

 


Islândia. O povo é quem mais ordena. E já tirou o país da recessão

por Joana Azevedo Viana, Publicado em 26 de Março de 2011  |  Actualizado há 23 horas
A crise levou os islandeses a mudar de governo e a chumbar o resgate dos bancos. Mas o exemplo de democracia não tem tido coberturaOpções
Os protestos populares, quando surgem, são para ser levados até ao fim. Quem o mostra são os islandeses, cuja acção popular sem precedentes levou à queda do governo conservador, à pressão por alterações à Constituição (já encaminhadas) e à ida às urnas em massa para chumbar o resgate dos bancos. 

Desde a eclosão da crise, em 2008, os países europeus tentam desesperadamente encontrar soluções económicas para sair da recessão. A nacionalização de bancos privados que abriram bancarrota assim que os grandes bancos privados de investimento nos EUA (como o Lehman Brothers) entraram em colapso é um sonho que muitos europeus não se atrevem a ter. A Islândia não só o teve como o levou mais longe.

Assim que a banca entrou em incumprimento, o governo islandês decidiu nacionalizar os seus três bancos privados - Kaupthing, Landsbanki e Glitnir. Mas nem isto impediu que o país caísse na recessão. A Islândia foi à falência e o Fundo Monetário Internacional (FMI) entrou em acção, injectando 2,1 mil milhões de dólares no país, com um acrescento de 2,5 mil milhões de dólares pelos países nórdicos. O povo revoltou-se e saiu à rua.

Lição democrática n.º 1: Pacificamente, os islandeses começaram a concentrar-se, todos os dias, em frente ao Althingi [Parlamento] exigindo a renúncia do governo conservador de Geir H. Haarde em bloco. E conseguiram. Foram convocadas eleições antecipadas e, em Abril de 2009, foi eleita uma coligação formada pela Aliança Social-Democrata e o Movimento Esquerda Verde - chefiada por Johanna Sigurdardottir, actual primeira-ministra.

Durante esse ano, a economia manteve-se em situação precária, fechando o ano com uma queda de 7%. Porém, no terceiro trimestre de 2010 o país saiu da recessão - com o PIB real a registar, entre Julho e Setembro, um crescimento de 1,2%, comparado com o trimestre anterior. Mas os problemas continuaram.


Lição democrática n.º 2: Os clientes dos bancos privados islandeses eram sobretudo estrangeiros - na sua maioria dos EUA e do Reino Unido - e o Landsbanki o que acumulava a maior dívida dos três. Com o colapso do Landsbanki, os governos britânico e holandês entraram em acção, indemnizando os seus cidadãos com 5 mil milhões de dólares [cerca de 3,5 mil milhões de euros] e planeando a cobrança desses valores à Islândia.

Algum do dinheiro para pagar essa dívida virá directamente do Landsbanki, que está neste momento a vender os seus bens. Porém, o relatório de uma empresa de consultoria privada mostra que isso apenas cobrirá entre 200 mil e 2 mil milhões de dólares. O resto teria de ser pago pela Islândia, agora detentora do banco. Só que, mais uma vez, o povo saiu à rua. Os governos da Islândia, da Holanda e do Reino Unido tinham acordado que seria o governo a desembolsar o valor total das indemnizações - que corresponde a 6 mil dólares por cada um dos 320 mil habitantes do país, a ser pago mensalmente por cada família a 15 anos, com juros de 5,5%. A 16 de Fevereiro, o Parlamento aprovou a lei e fez renascer a revolta popular. Depois de vários dias em protesto na capital, Reiquiavique, o presidente islandês, Ólafur Ragnar Grímsson, recusou aprovar a lei e marcou novo referendo para 9 de Abril.

Lição democrática n.º 3: As últimas sondagens mostram que as intenções de votar contra a lei aumentam de dia para dia, com entre 52% e 63% da população a declarar que vai rejeitar a lei n.o 13/2011. Enquanto o país se prepara para mais um exercício de verdadeira democracia, os responsáveis pelas dívidas que entalaram a Islândia começam a ser responsabilizados - muito à conta da pressão popular sobre o novo governo de coligação, que parece o único do mundo disposto a investigar estes crimes sem rosto (até agora).

Na semana passada, a Interpol abriu uma caça a Sigurdur Einarsson, ex-presidente-executivo do Kaupthing. Einarsson é suspeito de fraude e de falsificação de documentos e, segundo a imprensa islandesa, terá dito ao procurador-geral do país que está disposto a regressar à Islândia para ajudar nas investigações se lhe for prometido que não é preso.

Para as mudanças constitucionais, outra vitória popular: a coligação aceitou criar uma assembleia de 25 islandeses sem filiação partidária, eleitos entre 500 advogados, estudantes, jornalistas, agricultores, representantes sindicais, etc. A nova Constituição será inspirada na da Dinamarca e, entre outras coisas, incluirá um novo projecto de lei, o Initiative Media - que visa tornar o país porto seguro para jornalistas de investigação e de fontes e criar, entre outras coisas, provedores de internet. É a lição número 4 ao mundo, de uma lista que não parece dar tréguas: é que toda a revolução islandesa está a passar despercebida nos media internacionais.

“A ignorância está sempre pronta a admirar-se a si própria” (Nicolas Boileau)

© 2019   Criado por BEMCOMUM.net.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço