11 anos de Rede EBC! Fale connosco: +351 239100351 ou hello(at)ebc.pt Renew Europe Entrevista na TSF | Opinião | Sítio institucional Rede EBC.

Grupos

Fale connosco!

Economia de Transição

Somos uma Rede Social, com mais de 6.000 membros, promotora do projeto ENERGizar.pt.

Misturamos essencialmente conceitos de Empreendedorismo Social com Modelos e Projetos de Desenvolvimento Sustentável (Permacultura, Transição, EBC, BCSD, B Corp) desde janeiro de 2009, porque como diz Peter Druker, a melhor forma de prever o futuro, é criá-lo!

"Ainda podemos escolher viver simplesmente para que muitos possam simplesmente viver"

ECOTROCAS

 

Um projecto cooperativo comunitário de trocas

 

Vamos trocar produtos e serviços sem utilizar dinheiro. Implementando um sisttema de trocas que funcione recorrendo, por razões práticas, a um instrumento de medida e valorização de produtos e serviços que é uma espécie de moeda não oficial complementar á qual chamamos ECO. Esta moeda que não tem existencia real, não tem suporte físico, não pode ser guardada nem permita acumulacção  e não pode nem pretende substituir a moeda oficial. É um elemento de notação que tem por objecto facilitar o registo das trocas efectuadas.

 

A não utilização de moeda oficial liberta-nos da necessidade de a possuir,  e nesse sentido podemos dizer que o sistema contribue para  melhorar das condições de vida das pessoas e para aumentar a liquidez das empresas.

 

Nestas condições, dentre o número muito grande de sistemas e moedas complementares, procuramos adoptar um sistema transparente, designado Ecotrocas (por ter uma natureza ecológica) que facilite a concretização dessas trocas entre as pessoas, entre as empresas ou entre as pessoas e as empresas, numa dada comunidade. O sistema apoia-se em software/site integrado numa rede internacional de trocas comunitárias.

 

Promovendo a troca de recursos de m-d-o (de pessoas desempregadas ou interessadas  em fazer trabalho extra) ou produtos “stocks” excedentários disponíveis,  por serviços ou outros produtos imediatamente aproveitáveis e mesmo necessários, o sistema facilita

o estabelecimento de contactos entre os seus utizadores e portanto, a concretização de transações que aumentam a circulação dos recursos, e através de um serviço equivalente ao crédito à troca, em que o utilizador pode adquirir produtos e serviços na rede comunitária antes de fazer a entrega dos seus nessa mesma comunidade.

De facto, na Ecotrocas, qualquer crédito é concedido pela comunidade e todos os seus utilizadores são sempre e simultâneamente credores.  Assim, o crédito (possibilidade de aquisição de um produto ou serviço a pagar futuramente com outro produto ou serviço) é apenas uma promessa de disponibilizar futuramente à comunidade uma dada quantidade de produtos ou serviços. A sua concessão não é mais que aceitação de uma promessa ou comprometimento mas poderá ser garantido por produtos ou serviços existentes num fundo de garantia, uma espécie de armazém virtual da comunidade.

 

Desta forma, o risco de créditos mal parados é distribuido por todos os utilizadores  (por exemplo, se num grupo de 100 utilizadores há um crédito mal parado de 1000 ECOs, cada utilizador sofrerá um prejuizo de 1000/99, mas se tivermos 1000 utilizadores o risco é apenas 1000/999). Contudo, se considerarmos que a Ecotrocas constitui o seu próprio fundo de segurança, uma boa parte ou todo o  crédito mal parado pode ser absorvido por esse fundo). Deve referir-se que não estamos a falar de uma amortização bancária do crédito em moeda oficial. O credor não paga juros, faz as suas amortizações com produtos ou serviços excedentários e está a ser observado por toda a comunidade que provavelmente constitui uma boa parte  da sua clientela. Outros factores redutores do risco podem ser o facto de que o credito mal parado ser apenas uma parcela do crédito inicial e que os equipamentos comprados com crédito comunitário sirvam  eles mesmos como garantia.

É nestas condições que, dependendo do número de utilizadores associados a uma dada comunidade  se pode oferecer um sistema de crédito ao consumo, microcrédito e fundos de investimento startup, independente do sistema da moeda oficial, sem juros e sem amortizações monetárias.   

 

 

A organização da Ecotrocas desenvolve-se através de uma administração central  e de coordenadores nas comunidades locais. A administração supervisiona a actividade dos coordenadores mas estes são os verdadeiros motores do sistema. Deles dependeremos para iniciar (como catalizador) e acelerar (como acelerador) as transações e estimular a utilização de ECOs inactivos (podem aplicar-se penalizações em caso de acumulação). O coordenador tem um limite para o número de utilizadores que poderá ajudar com eficácia e, por isso, poderá consttituir sub-coordenadores.  Todas as actividades do seu grupo, incluindo propostas de crédito e apoio ao investimento serão preferencialmente canalizadas através do coordenador.

 

A administração da Ecotrocas e analisa também os pedidos de microcrédito e crédito de “startups” apoiada por um grupo selecionado de técnicos consultores e mentores, de preferencia voluntários, que poderão ser avaliados publicamente no “Facebook”(?).

 

A Ecotrocas mantém um concurso permanente de ideias para projectos de empreendedorismo. Ideias tornam-se projectos de investimento, depois de receberem um número suficiente de declarações de apoio/“Likes” no “Facebook” e/ou na Ecotrocas. Os projetos de investimento serão depois submetidos à “aprovação pública” através de um sistema tipo “Crowdfunding” em que se solicitam donativos e/ou capital de risco a complementar com créditos da Ecotrocas.

 

 

A administração de Ecotrocas oferece os seus serviços à comunidade e troca-os por produtos ou serviços da comunidade. Cada transação inclue sempre um interveniente utilizador “vendedor” ouutro interveniente utilizador “comprador” e uma prestação de serviços pelo sistema pelo coordenador e pela administração. Estes serviços são remunerados com 5% de comissão a pagar em ECOs por ambas as partes da transação. Este valor deve refletir  o custo do serviço do sistema, coordenador e administração e  será distribuido entre coordenadores (5%), e uma conta fundo de garantia de onde serão remunerados serviços de administrativos e de manutenção de software (5%). Calcula-se que um valor entre 3% e 4% sejam sempre atribuidos ao fundo de garantia. A administração é constituida por um ou mais administradores que são utilizadores e coordenadores e serão remonerados nessa qualidade.

 

O Fundo de Garantia, como o nome indica, garante a cobertura de eventuais creditos mal parados derivados de saldos negativos de utilizadores que venham a abandonar o sistema/rede. Dado que todos os saldos negativos são devedores à comunidade, cada utilizador com saldo negativo é controlado directamente pelo seu coordenador, pela comunidade em que se integra e pela comunidade geral na rede. Por esta razão as situações de abandono do sistema com saldo negativo são poucas e tendem a ser compensadas por utilizadores que abandonam a rede e deixam um saldo positivo.

O fundo de garantia, juntamente com fundos provenientes de doações em ECOs e em Euros, constitue o instrumento de apoio a microcrédito  e financiamento  de “startups”.

 

Ecoloja: Dado que tanto as organizações como os seus utilizadores não poderão viver em sociedade sem a utilização de moeda oficial e entendendo que todos os utilizadores desejarão vender alguns dos seus produtos ou serviços no mercado convencional, estabelecer-se-sà uma ecoloja online, que irá colaborar com ecotrocas, mas ficará totalmente separada dela em termos jurídicos e operacionais.

Qualquer utizador da Ecotrocas poderá oferecer os seus produtos ou serviços através desta loja que cobra comissões de 5% sobre as vendas. Os coordenadores serão também “brokers” desta loja recebendo 2% de comissão.

 

 

Como iniciar: de onde vem o primeiro ECO?

O primeiro ECO é um crédito vitalício concedido a todos os sócios da Cooperativa Ecoptrocas. Eles compran participações na cooperativa e ficam com um crédito para comprar produtos ou serviços.

Nem todos os utilizadores são sócios cooperantes. Estes poderão ter o primeiro ECO através de um crédito administrativo concedido por proposta de um coordenador e aprovado pela administração. Os utilizadores não sócios podem também obter os primeiros ECOs fazendo um donativo. De um modo geral o crédito é concedido em função dos produtos ou serviços que o utilizador pretende oferecer ao grupo e da sua quantidade.    

Tipos de donativo:

Depósito – Donativo para um fim inatingivel e portanto reembolsável mediante condições a definir. Funciona como garantia de crédito

Donativos – destinam-se a financiar projectos específicos. Se os objectivos de financiamento desses projectos não forem atingidos podem ser reembolsáveis e ficam com características de depósito, mas, por vontade do doador, pode ser destinados a outro projecto ou para financiar o fundo de garantia. Qualquer donativo é tratado como uma garantia de crédito, pagável em produtos ou serviços do beneficiário. Todos os doadores têm direito a um crédito no valor da doação que fizerem.

 

O sistema formal da Ecotrocas é o de cooperativa associada a uma sociedade por quotas exclusivamente responsável pela loja convencional. No sistema de trocas não entra dinheiro, na loja poderão entrar ECOs.

 

Anexos:

Modelo de estatuto mínimo Aceitam-se sugestões para completar algumas alíneas do estatuto

Constituição de cooperativa

Código Cooperativo anotado actualizado

 

 

PROPOSTA DE ACÇÃO

 

O projeto Ecotrocas to necessita da colaboração de todos, da vossa colaboração! Se acreditarem em no projecto, este será uma realidade e estender-se-á a todo o país.

Neste momento há a colaboração dos serviços de acção social de alguns municípios e de variadas pessoas integradas em grupos comunitários.

Contudo, o que realmente importa é iniciar a actividade através de coordenadores.  O Ecotrocas foi imaginado como um sistema de apoio, que começa com pessoas desempregadas e pequenos produtores, são utilizadores simultâneamente definidos como produtores e consumidores “Prosumidores”,  mas alargar-se-à progressivamente a  pequenas lojas locais. Os produtos mais importantes são aqueles que fazem parte das necessidades comuns como um cabaz de compras essencial. Todos precisamos de alimentos. Todas as pequenas explorações agrícolas são potenciais fornecedores de vegetais a preços competitivos se não tiverem que passar por distribuidores. Todas as mercearias podem fornecer alimentos secos e embalados que têm que adquirir mas o pr´prio merceeiro precisa de abastecimento individual e familiar. Importa satisfazer em primeiro lugar o que pode ser satisfeito localmente entre utilizadores os da mesma comunidade.

 

Podemos também começar já a procura de projectos de investimento e candidatos a microcrédito.

Vamos debater e implementar:

- Banco de Terras (troca da disponibilização da terra por produtos ou serviços

- “Cabaz da Horta” troca de cabazes de produtos frescos da horta por outros produtos e serviços

- Crowdfunding de apoio à produção agrícola em sistema CSA. Apoia-se agora para receber na época da colheita.

- “Fresh Link”sitema de distribuição de produtos frescos de cultura biológica directamente da horta para o restaurante,

 

- Crowdfunding convencional a projectos “startup”

- Loja social que aceita produtos que lhe são dados e depois distribuidos por pessoas carenciadas mas sempre que possível procuraremos contrariar a caridade simples pedidindo aos beneficiários que paguem esses produtos com os seus serviços, quando possível e por valor que acharem justo.

- Gift Crédito

 

 

É necessário que façam a vossa inscrição imediata como utilizadores

 

Proposta de Sistema de Incentivos: Qualquer utizador pode recomendar de outro utilizador e receberá por isso o total de 10% do valor das transações efectuadas por esse utilizador no primeiro mês.  Qualquer utizador pode candidatar-se a coordenador de uma dada região e, sendo aprovado, tornar-se-à coordenador efectivo quando reunir, pelo menos, 10 recomendações (quando tiver recomendado pelo menos 10 novos utilizadores de quem será coordenador).  Os subcoordenadores receberão também 5% das comissões e os coordenadores receberão 1% das transações efectuadas pelos utilizadores do seu sub-coordenador.

 

Há pormenores e problemas que necessítam ser estudados. Tornar-se-ão evidentes com a experiência desenvolvida no grupo.

 

De acordo com innformação não documentada, usada para fins promocionais em sistemas de barter, os mais sofisticados) cada coordenador activo pode gerar em média cerca de 200ECOs por utilizador por mês e consegue controlar com eficiencia cerca de 100 utilizadores.

 

A constituição da cooperativa não é condição para o sistema funcionar. As previsões apontam para que eu tenha as “interfaces” do software prontas para publicação activa na Internet dentro de pouco tempo.

 

A partir deste momento são necessarios serviços de informática/construção de sites/lojas com apoio de Cyclos-Joomla, necessitamos também serviços jurídicos e  serviços contabilidade

Algumas pessoas, e em particular o Marc e o Bruno têm sido muito úteis para limar as primeiras arestas. Não seria mau para o projecto  que mais alguém  desse um passo em frente!

 

Não é demais insistir que Ecotrocas, enquanto sistema de trocas, não toca nem troca Euros e nunca poderá receber quaisquer fundos publicos ou privados. Ecotrocas é um sistema de moeda complementar que funciona fora do sistema monetário oficial.

 

Neste momento será oportuno criar a cooperativa ou uma associação que desenvolva um projecto de investimento que concorra aos fundos comunitários.

 Os fundos do Qren ou outros podem ser utilizados para potenciar a concretização de projectos "startup" e para apoiar estruturas físicas como lojas ou centros de trocas (fisicos) das comunidades. Todos os fundos que for possível "sacar" da UE ou do GP será uma benesse. Estará sempre melhor nas nossas mãos, para aplicar em projectos próprios ou apoiar projectos de jovens empresários e agricultores, que nas mãos de políticos corrutos. Procurarmos promover a criação de um forte grupo de mentores que prestem apoio a um grande número de projecdtos de invvestimento e que estes tenham  uma forte taxa de sucesso.

 

 

 

Mas Ecotrocas não toca nem troca Euros

 

 

 

Alvito, 11 de Janeiro, 2012

Apresentado por: Casimiro de Jesus

966300326

60bem70arrobagmail.com

Exibições: 236

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede EBC - Economia do Bem Comum | BEMCOMUM.net para adicionar comentários!

Entrar em Rede EBC - Economia do Bem Comum | BEMCOMUM.net

© 2020   Criado por BEMCOMUM.net.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Política de privacidade  |  Termos de serviço